segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Neste fim de semana teve..

Arte na parede do Palácio.


Gatinho preto no caminho.

Pegadas.

Presente de outro mundo...


... geograficamente isolado, formado por duas massas de terra principais, conhecidas como Ilha do Norte e Ilha do Sul, chamada NOVA ZELÂNDIA.

Foi neste sábado frio e nebuloso entre uma saborosa torta de morangos e um chazinho de laranja que, literalmente me "deliciei" com a encantadora aula de geografia, história e curiosidades sobre este pequeno país, oferecida gratuitamente pela minha querida amiga Cris, que recentemente retornou deste paraíso.

Muitas fotos comprovam o quanto é encantador este lugar habitado por nativos Mãoris, Asiáticos, Polinésios e muitos descendentes de europeus, por isso a língua mais falada é o inglês.

Para entendê-lo melhor, fui agraciada com delicados mimos, entre eles, as ovelhinhas. A Nova Zelândia é a capital mundial das ovelhas. Lá existem mais ou menos quarenta e seis milhões destas no território, para os apenas três milhões e seiscentos habitantes, ou seja, são quase 13 ovelhas por pessoa.

Além dos simpáticos pingüins e de um outro animal símbolo da região, o Quivi (uma pequena ave de plumagem fofa, semelhante a pêlos, de hábitos noturnos, mas que não voa). Aqui, representado pela cor laranja, devido a semelhança com o nome da fruta Kiwi, considerada também uma das maiores fontes de renda deste país, geradora de milhões de empregos, tornando-o o segundo maior produtor desta fruta no mundo.

Também lá estavam os deliciosos chocolates Nestlê e as delicadas jóias confeccionadas com os abalones, conchas achatadas que trazem na sua camada interior, uma textura lisa com uma combinação de tons azul/esverdeado magnífica.

Tudo isso dentro de uma sacola ecológicamente correta. Hábito saudável, adquirido por todos os cidadãos Neo Zeolandeses que orgulham-se de seu país, que abriga as cidades consideradas mais habitáveis do mundo, pois destaca-se pelo seu desenvolvimento humano, por sua qualidade de vida, por sua educação pública, pela paz, prosperidade, liberdade e pela ausência de corrupção.

Depois do meu deslumbramento pelas fotos que vi deste país encantador, com suas inúmeras paisagens de tirar o fólego, mostrando rios e lagos de águas transparentes, bosques e florestas bem preservados, habitado por um povo alegre e receptivo, dá para acreditar que é possível sim fazer um mundo melhor, digno de respeito. Talvez o que esteja faltando para as "bandas de cá", seja a ausência de amor próprio, pois nunca seremos capazes de amar ou respeitar uma pessoa, um lugar, uma vida, se não valorizarmos a nossa própria história.

Um comentário:

aumigosdapraca disse...

Que fofura de comentário, Fernanda! A educação das pessoas mais o respeito pela preservação ambiental, tornam este país um exemplo possível de harmonia entre homem e natureza. Os "mimos" para a família Poodleick expressam o carinho que sentimos, eu e Zin, pelos 4 filhotes bagunceiros e pela mamãe sempre tão gentil e amável!
Beijocas e auuuuuuuuuuuuu,
Cris e Zin