sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Aquecendo o coração!!

Tá chovendo por aqui. Um aguaceiro de inverno e mesmo com uma temperatura amena, faz o dia escurecer mais rápido, nos dando a sensação de que a tarde se arrasta.
Mas o dia tem 24 horas e ele nos dá a oportunidade de apreciarmos inúmeros momentos aleatórios, basta um pouquinho de atenção. Já que a correria dos acontecimentos no dia-a-dia, nos fazem quase escravos da rotina.
Mesmo assim acredito que o saldo é bastante positivo, porque apesar do cansaço, do stress, dos problemas, das nossas inseguranças, existe um elixir chamado amigo, que nos ajuda a revigorar a alma e o espírito. As oportunidades que a vida nos oferece são muitas e aparecem de várias formas, mas todas elas trazem algo em comum: os amigos. É óbvio que em alguns casos surgem os chamados amigos-da-onça, já que não existe regra sem exceção, mas nada que nos faça desacreditar na força dos laços de uma verdadeira amizade. Os amigos são plantações de bençãos divinas, mas que precisam de cuidados especiais para serem cultivados e permanecerem saudáveis e viçosos.

Sei que hoje não é o dia internacional do amigo, da amizade, ou... Afinal, porque então falar tudo isso?

Simplesmente porque entre amigos não existe hora marcada, agenda programada ou tranca na porta. Por isso, achei que este seria um bom momento para dizer o quanto gosto dos meus amigos, o quanto todos vocês me fazem bem. Agradecer através desta oportunidade que a vida me deu. Afinal, quando eu poderia imaginar que faria tantos amigos, por uma simples telinha? Alguns estão muito próximos, outros nem tanto, já outros estão longe, outros muitos mais. Tenho amigos que ainda não sei a cor do cabelo, da pele, qual sua idade, quais os seus projetos e sonhos. E tão pouco pude olhar em seus olhos. Nada disso importa. O que me vale nesta vida é saber que tenho amigos, vocês. Tanto faz a distância ou a localização do mapa.
Às vezes ficamos tão próximos e não identificamos um amigo, em outras, sabemos muito mais dele, do que ele próprio imagina, mesmo estando separados por vários quilômetros ou até mesmo por um oceano. Oportunidade que um pequeno espaço virtual, chamado blog, nos oferece. Com ele temos a oportunidade de conhecer estes amigos, um pouco mais. Seu jeito de ser, seus gostos, suas manias, alegrias, mágoas, são adjetivos que podemos encontrar através dos seus comentários, posts, fotos, mensagens, músicas, selos, entre outras tantas... Pequenos detalhes que favorecem a nossa convivência e nos aproxima.
Ontem ganhei mais um selinho.
De um amigo português chamado José Maria, e apesar da pouca convivência que tivemos, deu para notar que ele já é quase que 100% gaúcho. Como a maioria de vocês, nós também criamos vínculos de amizade patrocinados pela net, que possibilita a conexão de mundinhos tão diferentes, mas ao mesmo tempo tão similares.
Eu digo sempre que o blog é a nossa casa e os selinhos, assim como os comentários ou até as visitas que recebemos em silêncio, são os amigos que vieram nos visitar. E como é prazeroso abrir, nas primeiras horas da manhã, esta janelinha e descobrir que muitos de vocês passaram por aqui. Isso me traz muita felicidade, pois é sinal de que fazemos a diferença na vida de alguém. Sinal de que a nossa casa blog oferece biscoitos doces em forma de energia. Mas isso não afasta a nossa responsabilidade de mantermos a casa sempre arrumada para os amigos, retribuindo este carinho, com tudo de melhor que temos, ganhamos, vivenciamos e aprendemos. Isto só nos fortalece e nos impõe a descobrir coisas novas para juntos decifrarmos.
Todos nós temos compromissos e nem sempre podemos sentar e conversar, mas a genialidade da companheira net nos oferece momentos exclusivos. Só pelo fato de saber que podemos nos encontrar todos os dias, quase sempre ou de vez em quando, e que cada encontro virtual vale um abraço, um carinho, um respaldo, me fazem muito feliz.
Gostaria de dizer que eu também nem sempre posso conversar com vocês, deixar meus comentários, pois muitas vezes o tempo é escasso. Mas, acreditem, criei no meu imaginário, um lindo lugar – ”A Rua da Amizade”. Uma rua estreitinha, inteiramente aquecida pelos primeiros raios de sol da manhã, em que as calçadas exibem longos tapetes coloridos e perfumados com flores de Ipê, com muitas casinhas coloridas e todas bem juntinhas, unidas pelos laços de uma grande amizade.
Desculpe-me se me alonguei nesta prosa, mas acho que estou evoluindo espiritualmente, e com a ajuda de muitos de vocês. Tenho notado cada vez mais que, para sermos felizes não precisamos necessariamente de uma casa linda, espaçosa, com uma decoração deslumbrante e imensos jardins, na serra ou à beira-mar. Ela também pode ser fabulosa, quando sentados ao lado de um pequeno fogão à lenha, bebericando um café fresquinho numa caneca de louça ágata, acompanhado de um pãozinho de ontem, aquecido no forno e sobre a mesa revestida com uma colorida toalha xadrez, pousa uma jarrinha branca desgastada pelo tempo, mas que ainda nos possibilita desfrutar do delicado aroma das flores do campo.
Muito obrigada pelas visitas, comentários, demonstrações de carinho e pela oportunidade de poder dividir mutuamente com vocês, os vários momentos desta vida, alguns com sabores e outros com desabores. Mas sempre juntos.
GRANDE abraço.
Fê.

6 comentários:

Margarete disse...

Fê, me emocionei, lindo!!!
Grande beijo.

Nídia e Patrícia Martins disse...

Oi Fê...

Lindo texto! Valeu a visita, amiga.
Também desejamos um bom fim de semana ( é uma pena está chovendo assim).

Grande beijo !!!

por Ateliê Alternativo: Daisy disse...

Bom dia fernanda, tudo bem? Espero que sim, passei para desejar um final de semana muito abençoado, Fique com deus, bjs Daisy

Silvia disse...

Mas que lindo texto Fernanda!!
Emocionante mesmo.
Bjo amiga

Cristina disse...

Amiga,muito lindo...
Sabes q podes contar comigo sempre,mesmo todo o tempo q estivemos sem se falar,tu nunca saiu do meu coração,nem teria como né...
Abraçãaaoooo!!!!!!♥♥♥♥♥

José Maria Lobato disse...

Belas palavras e belas reflexões cara amiga, e com enorme prazer que tenho uma costela gaúcha nesta maravilhosa terra que me acolheu de maneira tão nobre e carinhosa. São pessoas como tu que fazem-me sentir quase em casa, obrigado!!!!
Beijos Lusitanos, Zé Maria